Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tiago Bettencourt: "tu estás livre e eu estou livre..."

here in littlebubble, em 29.06.13
Tu estás livre e eu estou livre
E há uma noite para passar
Porque não vamos unidos
Porque não vamos ficar
Na aventura dos sentidos

Tu estás só e eu mais só estou
Tu que tens o meu olhar
Tens a minha mão aberta
À espera de se fechar
Nessa tua mão deserta

Vem que o amor
Não é o tempo
Nem é o tempo
Que o faz
Vem que o amor
É o momento
Em que eu me dou
Em que te dás

Tu que buscas companhia
E eu que busco quem quiser
Ser o fim desta energia
Ser um corpo de prazer
Ser o fim de mais um dia

Tu continuas à espera
Do melhor que já não vem
E a esperança foi encontrada
Antes de ti por alguém
E eu sou melhor que nada

Refrão (3x)


Gosto tanto tanto desta música.  Gosto tanto, muito mais ainda do Tiago Bettencourt.
E esta música...faz-me pensar. Em relações, perdidas, não encontradas ainda, relações pensadas e desejadas, relações com e sem propósito, relações desesperadas ou desespero entre relações. Faz-me pensar no medo que tenho de ficar sozinha (não de estar sozinha, mas de permanecer assim) e no medo que começo a aperceber-me que também sinto, talvez até em igual proporção ao anterior, de ter que começar uma nova relação. Dar-me a conhecer e conhecer outro. O medo do desapontamento, da descrença, do desinteresse, da revolta, do desprezo...sei lá. O medo de querer e não me quererem de volta. O medo de não querer e magoar alguém. O medo de não ser boa o suficiente, ou interessante o suficiente, ou inteligente o suficiente, ou bonita o suficiente ou conhecedora o suficiente. Cada vez mais me convenço que era tão melhor se eu não pensasse tanto. Era tão mais fácil se não me preocupasse. Era tão mais divertido se tivesse sempre a resposta pronta, a reacção certa, as capacidades adequadas. Era tão mais óbvio se fosse mais igual às outras pessoas, se fosse só mais uma feita do mesmo molde, que seguisse as mesmas modas, as mesmas tendências, os mesmos passos. Há dias em que desejava ser só mais uma e não ser eu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 15:51

3 Doors Down: Loser

here in littlebubble, em 22.06.13

No episódio de hoje do Sexo e a Cidade, a Charlotte e a Carrie foram a uma conferência de pensamentos posivitos. "Amor chama amor", "Eu acredito na bondade das pessoas", "O amor só entra nas nossas vidas quando acreditamos que o merecemos e gostamos mais de nós".

 

Deve ser isso que me falta. Acreditar em mim. Para que o amor repare em mim.

E aqui estou eu, à espera que o amor me bata à porta... Hoje sinto-me uma loser.

 

Breathe in right away,
Nothing seems to fill this place
I need this every time,
So take your lies get off my case
Some day I will find,
A love that flows through me like this
This will fall away, this will fall away

You're getting closer,
To pushing me off of life's little edge
Cause I'm a loser
And sooner or later you know I'll be dead
You're getting closer,
You're holding the rope and I'm taking the fall
Couse I'm a loser, well I'm a loser, yeah

This is getting old,
I can't break these chains that I hold
My body's growing cold,
There's nothing left of this mind or my soul
Addiction needs a pacifier,
The buzz of this poison is taking me higher
This will fall away, this will fall away

You're getting closer,
To pushing me off of life's little edge
Cause I'm a loser
And sooner or later you know I'll be dead
You're getting closer,
You're holding the rope and I'm taking the fall
Cause I'm a loser, well I'm a loser

You're getting closer,
To pushing me off of life's little edge
Cause I'm a loser
And sooner or later you know I'll be dead
You're getting closer,
You're holding the rope and I'm taking the fall
Cause I'm a loser, yeah

You're getting closer,
To pushing me off of life's little edge
Cause I'm a loser
And sooner or later you know I'll be dead
You're getting closer,
You're holding the rope and I'm taking the fall
Cause I'm a loser, yeah

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:31

Killing me.

here in littlebubble, em 15.06.13
Strumming my pain with his fingers
Singing my life with his words
Killing me softly with his song
Killing me softly with his song
Telling my whole life with his words
Killing me softly with his song

I heard he sang a good song
I heard he had a style
And so I came to see him
And listen for a while
And there he was this young boy
stranger to my eyes

Strumming my pain with his fingers
Singing my life with his words
Killing me softly with his song
Killing me softly with his song
Telling my whole life with his words
Killing me softly with his song

I felt all flushed with fever
Embarrassed by the crowd
I felt he found my letters
And read each one out loud
I prayed that he would finish
But he just kept right on

Strumming my pain with his fingers
Singing my life with his words
Killing me softly with his song
Killing me softly with his song
Telling my whole life with his words
Killing me softly with his song (x3)

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:57

Santo António: dores na pernas, cheiro a sardinha, sangria e lágrimas

here in littlebubble, em 13.06.13

Hoje estou um bocado zangada. Comigo, com o mundo, comigo...

Vivo em função dos outros e isso irrita-me e só pode magoar-me.

 

Com tanta gente em Lisboa ontem à noite, com as ruelas e os becos a abarrotar durante toda a noite, logo tinha que ter um encontro...ou melhor, uma visão. Dele, com companhia feminina. E deixa-me magoada ele já ter avançado e eu não. E já chorei ontem. E já chorei hoje. E queria que a minha vida me desse mais alegria. Queria estar feliz com o que tenho. Mas ainda não tenho esse potencial, essa clarividência. Porque vejo as outras pessoas com tudo o que quero e não tenho. E não é que não desse valor ao que tinha, quando o tinha. Se calhar o problema foi mesmo dar valor de mais, sem receber. E o mundo vai andando, a vida vai acontecendo, o tempo vai passando e eu não consigo traçar objectivos como devia fazer porque...não gosto de mim o suficiente?

 

You with the sad eyes
Don't be discouraged
Though I realise
It's hard to take courage
In a world full of people
You can lose sight of it all
And the darkness there inside you
Make you feel so small

But I see your true colors
Shinin' through
I see your true colors
And that's why I love you
So don't be afraid to let them show
Your true colors
True colors are beautiful,
Like a rainbow.

Show me a smile then,
Don't be unhappy, can't remember
When I last saw you laughing
If this world makes you crazy
And you've taken all you can bear
You can call me up
Because you know I'll be there

And I see your true colors
Shining through
I see your true colors
And that's why I love you
So don't be afraid to let them show
Your true colors,
Your true colors,
Are beautiful,
Like a rainbow

Whispered: Can't remember when I last saw you laugh

If this world makes you crazy
You've taken all you can bear
You call me up
Because you know I'll be there

And I see your true colors
Shining through
I see your true colors
And that's why I love you
So don't be afraid to let them show
Your true colors, true colors
True colors are shining through
I see your true colors
And that's why I love you
So don't be afraid to let them show
Your true colors
True colors are beautiful,
Like a rainbow

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 13:07

Um desabafo daqueles.

here in littlebubble, em 24.05.13

Estou em loop.

Sei que preciso de sair daqui. Sei que preciso de abrir horizontes. Que não posso ser tão passiva quanto àminha vida, principalmente se não me sinto bem com ela, se não me sinto realizada, o que é o caso.

Mas será que me quero arriscar, sair desta área, deste espaço, deste modo em que me sinto confortável e, de certa forma, segura, para poder ver-me em situações onde posso cair no ridículo, onde posso sofrer, chorar, perder?

Será que quero o suficiente? Será que sou forte o suficiente?

Cada vez mais acho que não. Não tenho forças. Não tenho vontade para sobrepor os medos...

Não tomo iniciativa de mudar. Não o sei fazer. Não gosto sequer.

Mas dantes havia sempre uma razão....havia sempre alguém ...

 

E agora?

Agora também há razão. Que sou eu. Não valerei a pena?

Às vezes penso que não. Porque enquanto vejo outros a lutar, vejo que ninguém o faz por mim, nem eu própria.

E continuo por aqui. Apesar de não querer. Mas também não faço nada por não estar. Eu quero. Só não sei como.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 21:37

and you let her go...

here in littlebubble, em 24.05.13
Well you only need the light when it's burning low
Only miss the sun when it starts to snow
Only know you love her when you let her go
Only know you've been high when you're feeling low
Only hate the road when you're missing home
Only know you love her when you let her go
And you let her go

Staring at the bottom of your glass
Hoping one day you'll make a dream last
But dreams come slow and they go so fast
You see her when you close your eyes
Maybe one day you'll understand why
Everything you touch, oh it dies

But you only need the light when it's burning low
Only miss the sun when it starts to snow
Only know you love her when you let her go
Only know you've been high when you're feeling low
Only hate the road when you're missing home
Only know you love her when you let her go

Staring at the ceiling in the dark
Same old empty feeling in your heart
'Cause love comes slow and it goes so fast
Well you see her when you fall asleep
But never to touch and never to keep
'Cause you loved her too much and you dive too deep

Well you only need the light when it's burning low
Only miss the sun when it starts to snow
Only know you love her when you let her go
Only know you've been high when you're feeling low
Only hate the road when you're missing home
Only know you love her when you let her go
And you let her go
Oh oh oh no
And you let her go
Oh oh oh no
Well you let her go

'Cause you only need the light when it's burning low
Only miss the sun when it starts to snow
Only know you love her when you let her go
Only know you've been high when you're feeling low
Only hate the road when you're missing home
Only know you love her when you let her go

'Cause you only need the light when it's burning low
Only miss the sun when it starts to snow
Only know you love her when you let her go
Only know you've been high when you're feeling low
Only hate the road when you're missing home
Only know you love her when you let her go
And you let her go

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 00:30

Trauma dos quase 27.

here in littlebubble, em 04.05.13

No outro dia tive uma conversa super sincera com a minha amiga T. Apesar de sermos muito diferentes uma da outra, somos amigas desde que nos conhecemos. Ela é faladora e eu mais calada. Ela é aquela pessoa de quem se gosta imediatamente a partir do momento em que se conhece e eu acho que passo um pouco por introvertida e antipática e torno-me mais "likeable" depois de me conhecerem. Ela fala com a mesma facilidade de problemas pessoais como do tempo que faz lá fora. Eu consigo falar de tudo, menos dos meus problemas. Ela não tem filtro e eu, aparentemente, além do meu filtro devo ter herdado também o dela. Simplesmente não consigo (aliás, tenho que fazer aqui um aparte para me corrigir: cada vez consigo mais, mas ainda assim estou bem longe do nível que pretendia. mas acho que vai melhorando aos poucos) falar dos meus problemas. Tenho sempre uma vontade imensa de chorar e as lágrimas toldam-me os olhos e as palavras morrem na garganta. Acho mesmo que se calhar não me fazia mal umas sessões de psicoterapia para lidar com esta dificuldade de falar, mas às tantas se calhar lá também não iria conseguir falar. Devia conseguir controlar esta insegurança, mas simplesmente não sei como.

 

Voltando ao assunto... falámos e ela, apesar de lhe ser fácil dizer o que pensa, aparentemente tinha muito para me dizer que não conseguiu fazer antes. Disse-me que estou a ficar um pouco obcecada com a ideia de estar sozinha e que o meu objectivo de vida não pode ser arranjar alguém nem me devo validar pela presença ou ausência de alguém na minha vida.

E eu entendo o que ela quer dizer. Aliás, não ando a inscrever-me em sites de encontros amorosos nem ando a oferecer-me por aí, não pensem... Mas simplesmente, estar com alguém, ter alguém na minha vida e ao meu lado foi sempre algo tão natural e tão presente que agora me sinto um pouco perdida sem isso. E apesar de gostar de estar sozinha e de não estar para aqui a morrer pelos cantos nem a chorar como uma doida por estar sozinha, não faz sentido, para mim, ter passado toda a adolescência "presa" a alguém e agora, quase aos 27 anos, estar satisfeita por estar sozinha. Devia ter sido tudo ao contrário. Não é agora que vou ter curtes com este e com aquele. Não é agora que vou fazer maluquices. Sei lá, não me faz sentido. E é isso que sinto. Sinto que agora é que devia ter alguém. Agora é que devia estar a assentar. E sinto que o tempo está a passar e qualquer dia sou "demasiado velha". E considerando que faço 27 para a semana, estes dias estão a ser sentidos de forma diferente. Nem vontade para festejar tenho. Sinto-me velha. E este sentimento só pode mesmo piorar porque a idade só aumenta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 20:40

fase má, enésimo round.

here in littlebubble, em 26.04.13

Já não me sentia assim há muito tempo. Já há muito que a minha mente não estava tão negativa, o meu coração apertado tão desejoso de amor, as minhas lágrimas a correrem tão fluidas e as minhas palavras tão negras.

Estou triste. Imensamente.

E já há muito tempo que não passava por uma fase assim.

Sinto-me sozinha. Sem planos, sem ideias, sem nada nem ninguém.

 

E tal como em qualquer outro momento depressivo da vida de alguém, tudo parece mais negro, mesmo os aspectos da vida que não são. Simplesmente não consigo apreciar nada. Nem as boas notícias, nem os amigos, nem as saídas, nem a música.

 

Estou triste. E sozinha. E depressiva.

Estou farta de estar aqui. Estou farta desta auto-pena, mas não sei como me mover. Não tenho forças para mudar. Não tenho a coragem necessária para fazer algo, para dar o passo necessário para sair  desta posição. Estou desconfortável mas não sei o que devo fazer para sair daqui.

 

A minha amiga T diz-me que devo aproveitar este tempo para me conhecer melhor, para aprender a gostar de mim e não fazer da procura de alguém o ponto central da minha vida, o meu único objectivo, a meta que me vai fazer incrivelmente feliz.

Eu entendo, mas isso é tudo muito fácil de ser dito quando temos o amor da nossa vida ao nosso lado e a nossa vida está feita e certa e é claramente para sempre.

 

Não sei o que despoletou isto hoje, mas simplesmente não consigo parar de chorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:16

(desabafo egoísta)

here in littlebubble, em 24.04.13

(Não gosto de ser egoísta. Nem gosto de ser ciumenta. Mas isto é o meu blog, o meu diário, o meu espaço de desabafo e reflexão portanto aqui posso dizer isto.

 

Hoje a última das minhas amigas que ainda é solteira disse-me que tem um amigo especial, um flirt, um namorado maybe.

E apesar de ter ficado super contente por ela, visto que ainda tem menos sorte que eu ao amor, deixa-me numa posição horrível. Sou a última. Sou a que está sozinha e a que é sempre a terceira pessoa.

E apesar de estar sozinha e da minha relação ter acabado, vejo à minha volta todos estes casais cujas relações são aparentemente muito piores que a que eu tinha. E isso faz-me pensar. Será que as pessoas exageram nos seus problemas? Será que era eu que fechava os olhos aos problemas? E eles eram maiores do que eu via? Eu simplesmente, apesar da relação ser boa, nós dois não o éramos?

 

Sad.)

 

NOTA: quando se trata de um aparte ou de dizer algo que quero dizer, mas talvez não devesse, costumo fazê-lo dentro de parêntesis. Como se de um segredo ao ouvido se tratasse.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 00:22

Encontro inesperado.

here in littlebubble, em 20.04.13

Ontem, numa festa, encontrei-o. O meu ex-namorado. Aquele com quem era para sempre, até que não foi.

Está diferente. Pareceu-me mais bonito. Pareceu-me mudado.

Falámos um bocado, sobre viagens, sobre amigos comuns, sobre pormenores da vida.

E pareceu-me mudado. Pareceu-me melhor.

Disse-me que eu tinha razão sobre alguns aspectos dele e que agora, que finalmente os mudou, tal como eu lhe dizia que devia mudar, que se sentia melhor.

 

Mais tarde, no regresso a casa, pus-me a pensar.

Porque será que as pessoas só mudam para melhor quando se afastam de nós?

Porque é que não seguiu o que lhe disse na altura devida e mudava, enquanto estava comigo?

Porque é que não mudámos os dois ou apenas um de nós, para melhor?

Porque é que só damos o máximo de nós no início de uma relação e depois desleixamo-nos e deixamo-nos levar pela rotina e tomamos o outro por garantido?

Porque é que deixamos uma relação morrer?

Porque é que não fazemos mais pelo outro, por nós? Porque é que não damos sempre 100% de nós?

 

E fiquei triste. E chorei.

E depois adormeci. Hoje, a melancolia é a minha companhia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 15:19


...retalhos de pensamentos, post its de emoções, pedaços de músicas, imagens que falam comigo e tudo mais aquilo que fizer a minha mente fervilhar...

E sobre mim...

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30



Back there

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D