Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


A tal menina e a sua colecção de elásticos.

here in littlebubble, em 25.08.13

Há uns tempos escrevi este texto. E hoje volto a revê-lo porque, mais uma vez, me deparo na minha vida com casos de pessoas que gostam de cortar elásticos, de cortar relações, de cortar laços. Porque é que o fazemos? Será que o nosso coração e a nossa vida têm limite de inclusões? E precisamos de apagar alguns contactos já registados para inserir novos? É que não percebo porque é que não tentamos, ao máximo, atingir um sem-limite de amigos, em vez de nos irmos esquecendo de alguns? Será o nosso tempo, o nosso carinho, o nosso amor pelos amigos limitado e que, quanto mais amigos temos, menos amor há reservado para cada um e como tal "quanto menos amigos, mais amor para distribuir"? Não deveria o amor crescer com os amigos, adaptar-se a eles e ao seu crescimento? Ou serão os amigos seres demasiado exigentes para termos mais do que uma mão cheia deles?

 

Aqui fica o texto.

 

Era uma vez uma menina bonitinha e moderadamente simpática que, ao crescer arranjou um grupo de amigos em dimensão proporcional à sua simpatia. O termo genérico “amigos” define a população de pessoas, normalmente de idades aproximadas e com interesses passados, presentes ou futuros semelhantes aos do próprio, não sendo, portanto, um grupo imutável. Deste grupo de pessoas vão saindo umas por alteração de morada ou por disputa de qualquer termo ou mesmo porque simplesmente, a personalidade foi alterando de forma a se integrar melhor noutro grupo de pessoas. Há também aqueles que vão entrando. Que começam por ser apenas espectadores, depois participantes de dedo-no-ar, tornando-se parte integrante desta matriz. Ora entre todas estas pessoas existe uma linha que os une, a linha da amizade. Com o tempo também esta linha se dilata, se embaraça ou se torna tão tão fininha a ponto de querer partir a todo o momento. É, desta forma, obrigação dos membros, tornar cada linha que os une a cada um dos outros o mais limpa, certinha e polida possível. Mas com o avançar do tempo, entra em jogo um novo tipo de jogadores muito apreciado: o namorado. E estes formam uma linha muito mais cor-de-rosa, mais agradável à vista, mais próxima também, uma espécie de elástico com muito menos capacidade de distender (porque ao fazê-lo, há grande probabilidade de se romper, ainda com mais facilidade do que a do grupo anteriormente referido). Esta linha do namorado é muito mais apetecível e como as linhas dos amigos se distendem com mais facilidade, esta menina tende a afastar-se mais dos amigos e a aproximar-se cada vez mais e só e apenas do namorado. E a partir daqui, continuando pelo decorrer de percurso, a história depara-se com uma bifurcação. Sim, a menina e o seu namorado são felizes para sempre, sendo que os amigos estão lá, se bem que um pouco mais afastados da luz da ribalta do que se encontraram inicialmente. Ou, pelo contrário, o namorado corta o laço que os une e tal como a qualquer objecto preso a dois elásticos, estando um deles extremamente distendido e o outro sendo cortado, o objecto, perdão, a menina é projectada a toda a velocidade para longe do namorado. Mas onde cai ela? No emaranhado de laços e redes e elásticos que é a matriz do seu grupo de amigos. Agora imaginando que durante este caminhar com o namorado, os laços com os amigos foram sendo cortados e não criados novos, nem tão bons, o que acontece à menina quando é projectada? Bate contra uma parede e morre.

Fim.


Moral da história:

Independentemente das relações amorosas, deve haver sempre grande interesse em cultivar, manter e acarinhar as amizades, as novas e as de sempre… Porque os amigos não devem ser apenas um escape, uma alternativa garantida quando não há mais nada que fazer. E tal como um elástico quando é puxado ao extremo rebenta, também um elástico estático, perde a sua elasticidade, sendo que qualquer pequeno toque, pode resultar numa quebra.

 

Esclarecimento:

A menina desta história pode ser um menino também. É só trocar os pronomes para o masculino e fazer alteração dos adjectivos.

Esta história é completamente fictícia e não baseada em acontecimentos nem personagens reais, baseando-se única e exclusivamente em factos do senso comum. Caso algum dos leitores se reveja na menina, trata-se de pura coincidência. Isso ou estão a precisar de avaliar as vossas escolhas de vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 01:07


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



...retalhos de pensamentos, post its de emoções, pedaços de músicas, imagens que falam comigo e tudo mais aquilo que fizer a minha mente fervilhar...

E sobre mim...

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2013

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031



Back there

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D